18
Jul
09

A última das “agulhas em palheiro”

Foi assim a última das “agulhas em palheiro” de Cláudia Moura:

agulha no palheiro - a última

in ojardimassombrado.blogspot & bibliotecariodebabel.com

§

Todos sabemos o estado da cultura literária em Portugal é uma ferida com a exacta profundidade do buraco intelectual em que caiu o jornalismo. São duas áreas em absoluta e incandescente decadência que, em certo ponto, se têm vindo a cruzar tristemente. A primeira, talvez por culpa do novo tipo de sociedade de massas em que vivemos e que arrasta consigo demasiadas distracções fúteis, mas principalmente – e isso é claro – por leituras e interpretações tristes, apressadas e desatentas daquilo que foi a modernidade no panorama literário português (mas aqui eu prefiro centrar as atenções principalmente no panorama poético), as quais levam a tentativas precárias de cópia (especialmente de Ruy Belo) que – e eis o primeiro crime – têm obtido todo o crédito por parte de um pequeno punhado de editoras, as quais, decididamente, já só existem para pagar as contas e encher os bolsos de alguns. A segunda, talvez pelo culto da imagem (tendência igualmente transportada para a literatura – o segundo crime sem perdão): ora jornalistas que agora têm uma face e uma opinião – e pouco mais – pela qual são conhecidos, ora “fazedores de opinião” stricto sensu que nem são jornalistas, nem coisa alguma, mas tão-somente políticos encapotados.

No meio de toda esta distorção e devastação, havia surgido uma pequena flor, um nicho doirado, onde residia grande parte da esperança que muitos depositavam numa renovação, tanto jornalística, como também, de certo modo, literária: o chamado “jornalismo cultural”. Também eu o via como um “grito mudo e involuntário” de revolta contra aquilo que vai no jornalismo e na literatura. Mas cedo vieram os que “comem tudo” para abafar os poucos raios de sol que essa “pequena flor” tinha – e eram tão poucos os que ela necessitava e desejava. Parece que no jornalismo e na literatura, tal como na vida, a “bonança e a riqueza” têm uma tendência gravitacional que as levam, sempre e inexoravelmente, a servir de alimento a uns mesmos “buracos negros” que habitam os antros dessas tão “tristes galáxias”.

Resta-nos a consolação de que tudo terá um fim: porque quando tudo tenham engolido, nada mais restará senão os próprios “buracos negros” que se alimentam uns dos outros, até que o último – o maior -, atropofagicamente, se devora a si próprio.

§

Depois deste desabafo, resta-me desejar toda a sorte do mundo à Cláudia Moura cuja pessoa não conheço. Conheci e apreciei apenas o seu trabalho – e esse diz tudo sobre a pessoa que ela é.

Anúncios

0 Responses to “A última das “agulhas em palheiro””



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Ubuntu 10.04

Ubuntu: For Desktops, Servers, Netbooks and in the cloud
Julho 2009
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Petição contra o Novo Acordo Ortográfico

manifestodefesalinguapoug5

Plágio!

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Visitas

  • 430,322 visitantes

%d bloggers like this: