02
Dez
07

Linux, esse tal mundo…

Desde há uns meses para cá que não tenho tempo para este blog, isso não significa que ele vá terminar, bem pelo contrário, aliás, nos intervalos do estudo para este “diz que é uma espécie de curso de bolonha“, tenho guardado um tempo para estudar algumas distribuições linux, algumas das mais recentes.

 

linux.png

O Linux é, na verdade, todo um mundo de maravilhas gratuitas, de conhecimento, de aprendizagem, e melhor ainda, um mundo de variedade. Assim sendo, depois desta frase, estaria tudo dito acerca deste post, mas como sou muito chato e gosto de fazer grandes testamentos (avant la lettre), aqui vai.

A grande pergunta é: ainda vale a pena utilizar windows?

A resposta, ao fim destes meses, é….

Não!

Linux vs Windows

Porque haveria de valer a pena? Digam-me só um motivo que me faça mudar esta resposta…

Virão uns, dirão que as coisas em windows simplesmente funcionam. Pois eu digo-vos que em linux, nos dias que correm, com a possível excepção do último grito em hardware (e isto não é linear), tudo funciona mais rápido e estável do que no windows. Eu gostava de perceber porque dizem que no windows as coisas simplesmente funcionam, quando vemos problemas que o windows vista tem há muito e ainda não foram resolvidos, tal como aquela questão do “copy, move, past”. Porque não resolveram ainda este problema? Porque não o resolve ainda o SP1? Outra questão é a das impressoras que teimam em não funcionar com uma drive “universal” ou “genérica”, e que em linux simplesmente funcionam… Ou a questão das pens que demoram uma eternidade em ser reconhecidas e que em linux levam cerca de 2/3 segundos a detectar, instalar e montar…

Virão outros, dirão que o Windows permite jogar as últimas novidades e que o Linux só com o wine muito bem configurado. Aí concordo perfeitamente, até porque mesmo com o wine bem configurado nunca conseguiremos uma performance como conseguiremos no windows. Mas depois eu convido cada um de vocês a experimentar jogos que funcionam nativamente no Linux, tal como doom3 ou unreal tournament 2004. Na mesma máquina, testem em linux, depois testem em windows, logo vão perceber o que significa a expressão “máquina de jogos”, aposto que essa concepção logo vai mudar… Vão perceber que não precisam de PC’s topo de gama. Eu sei que realmente são jogos “ultrapassados”, mas dá para comparar na mesma máquina as diferenças de performance de uns SO’s para outros.

born to frag

Então perguntariam: Porque não fazem jogos que corram nativamente em linux?A resposta é fácil, as empresas que fabricam jogos fazem contratos com empresas de hardware (que vão suportar os seus jogos de forma especial), estas empresas, por sua vez, têm contratos com a microsoft (o que lhes vai permitir maior suporte para drivers). Esta é parte da resposta, a outra parte é mais relacionada com a variedade de SO’s Linux que existem, o que iria, de uma forma ou de outra, originar um cem número de diferentes problemas e bugs nos Jogos, o que não interessa a essas empresas, uma vez que o suporte para alguns desses jogos termina logo nos primeiros meses. Depois é a questão das drivers gráficas e de som, cada uma delas acaba compilada de forma diversa no kernel, o que iria originar outras problemáticas nos jogos. Aqui confesso, a culpa também é um pouco deste nosso mundo do Linux, mas não há forma de negar o que é óbvio: há má, ou nenhuma vontade por parte dessas empresas em suportar o Linux. Depois temos a constatação óbvia, quem gosta de jogar compra uma consola de última geração, o pc é uma estação de trabalho, tudo o resto é encher os bolsos aos fabricantes de hardware de topo…

 

Fora estas questões que têm resposta fácil, não vejo outros argumentos. O linux é rápido, o linux é cada vez mais acessível, o linux é educativo e ensina muito sobre a informática e o hardware da nossa máquina, o linux é seguro, o linux é multifacetado… Não percebo o que mais podem exigir de um sistema operativo.

Poderíamos agora iniciar a nossa viagem por esse mundo do OpenSource, em especial pelo mundo do Linux. De qualquer forma este post pretende ser, de certa forma, um convite ao teste de distribuições Linux para os mais iniciados nesta matéria.

Primeiro, e o mais importante de tudo, nunca instalar Linux em “dual boot” com windows, acreditem, simplesmente não resulta, acabam sempre por voltar para o windows, e para isso eu não me dava a este trabalho. Se dão mais uso à vossa máquina para jogar, esqueçam, nunca instalem sequer linux, temos de ser claros e as coisas têm que ser lançadas para cima da mesa, sem rodeios. Eu utilizava muito o meu pc para jogar, daí eu ter o meu sistema em dual boot, mas no final acabava sempre por utilizar o windows porque no final eu jogava sempre, ora, para resolver este meu grande problema, comprei uma consola de última geração. Resultou, simples…

Portanto, esqueçam o dual boot.

Antes de pensarem sequer em instalar uma qualquer distribuição Linux, pensem muito naquilo que querem da vossa máquina e nas suas capacidades (leia-se “qualidade e capacidade do hardware”). De seguida dão um salto na DistroWatch. verifiquem a tabela “Page Hit Ranking”, verifiquem as distribuições com mais popularidade, ter uma distribuição muito popular é essencial para um iniciado, é a garantia de que há suporte e ajuda suficiente para enfrentarem as vossas maiores dúvidas e problemas iniciais. Pessoalmente eu aconselho Ubuntu ou OpenSuse para começar. Contudo isto é meramente indicativo, diz-me a experiência que nunca vão gostar daquilo que vos aconselham a curto/médio prazo, portanto, devem antes de mais “folhear”, ou se preferirem “linquear”, a página da DistroWatch, ler as reviews (análises) das últimas versões e perceberem quais os pontos fortes e fracos de cada distribuição.

Outra questão que devem sempre ter consciente é que, por muito que agora digam que não, vão precisar de utilizar muitas vezes a “consola” da vossa distribuição, mais do que aquilo que pensam. Alterar alguns ficheiros chave da vossa distribuição, correr algumas aplicações, entre outras coisas, necessita do uso da consola. Dou o exemplo do “xorg.conf”, um ficheiro base do sistema e que por vezes necessita de uns retoques para ficar, vá lá, “quase perfeito”. Esse ficheiro está relacionado com muitas coisas do vosso sistema, em especial os componentes, tal como o ecrã, a placa gráfica, o rato, o teclado, etc… No caso do Ubuntu o meu sistema tem quase sempre dificuldade em assumir a profundidade “32 bits” depois de instalar as drivers NVidia, o que me obriga a alterar o xorg.conf manualmente (atenção que nunca se deve alterar um ficheiro base do sistema sem antes criar um “backup” do mesmo, acreditem, as coisas podem e acabarão por correr mal mais tarde ou mais cedo). Outro exemplo disto que vos posso dar é o facto de correr o “nvidia-settings” em modo utilizador normal não resultar bem, isto porque quando queremos aplicar as alterações que fazemos, isso não é possível… É um problema estúpido do Ubuntu, no meu sistema isso sempre acontece, a resolução é fácil, basta abrir a “consola” (em alguns sistemas dá pelo nome de “terminal”) e executar o comando “sudo nvidia-settings”, isto dá acesso ao nvidia-settings com especiais privilégios de administrador, ou “root” como chamam na gíria.

Portanto, resumindo em concluido, todos aqueles problemas que não se conseguem resolver através de simples cliques, vão levar-nos ao uso da consola, portanto mentalizem-se, a curto/médio prazo, devem procurar dominar muitos dos comandos da consola. Isto surge com o tempo e ao fim de seguirmos alguns “tutorials” e ajudas na internet. Afinal de contas, a liberdade também dá trabalho…

Outra coisa que devem ter em conta no vosso sistema é a qualidade/capacidade do vosso hardware. Se efectivamente têm hardware bastante recente podem encontrar dificuldade em a vossa distribuição reconhecer grande parte desse hardware, isto complica ainda mais quando temos portáteis topo de gama. A solução é optar por uma distribuição que suporte hardware a rodos, exemplo do OpenSuse (que suporta muito hardware, tem um bom gestor de hardware em ambiente gráfico e é bastante “user friendly” em praticamente todos os campos), ou do Sabayon (uma distribuição baseada em gentoo, quase perfeita, suporta muito hardware [até agora nunca tive problemas, o que é caso raro na minha experiência], é “userfriendy” quanto baste e muito rápida…). Ora, se por outro lado têm hardware modesto, podem optar por qualquer distribuição, não terão problemas de maior e todos os que possam surgir já terão solução fácil na internet, certamente.

Se por outro lado têm uma máquina muito antiga, ou têm um PC velho encostado e sem utilização, devem optar por um sistema operativo leve. Gentoo será uma escolha, mas acreditem, se são iniciados, esqueçam que eu disse isto. Outra opção é o “damn small linux“, de qualquer forma continuam a precisar de alguma experiência para a conseguirem instalar em configurar acertadamente. A opção final será utilizar o “ubuntu” que é leve o suficiente em quase todo o tipo de sistemas, contudo o “ambiente gráfico” poderá ter algum problema, ou então simplesmente arrastar-se nessa máquina.

Outra coisa que devem à partida ter em consideração é qual o tipo de “ambiente gráfico” que pretendem. Em windows o ambiente gráfico que conhecem é o “windows explorer” (não confundam com “internet explorer), aquela coisa engraçada com muitas janelas de que todos gostamos muito (agora essas janelas até parecem vidro, com grandes efeitos de transparência que “matam” a vossa máquina). Em linux vão encontrar coisas ligeiramente diferentes, mas muita da base que lembram do windows encontra-se lá, aliás, muitas vezes vão ouvir a expressão “GUI” para se referir a ambiente gráfico. Esses ambientes gráficos são muitos, muitos mesmo, alguns exemplos:

Confuso? É natural, esta lista foi directamente retirada da wikipédia, puro copy/past para poupar no trabalho, contudo aqueles ambientes que realmente sobressaem nos nossos dias são 4:  KDE, Gnome,  Xfce, Fluxbox. No caso do KDE e do Gnome, encontramos ainda a possibilidade de ter alguns efeitos que vem já incluida em praticamente todas as distribuições linux, falo do compiz fusion. Querem alguns exemplos das capacidades deste pequeno grande brinquedo?

Pessoalmente, e voltando ao tema,  eu gosto do Gnome, sempre gostei, sempre achei o mais limpo e o mais agradável. Contudo andam aí algumas demonstrações do KDE 4 que me parecem muito positivas mesmo. De qualque forma devem experimentar vários ambientes gráficos até encontrarem aquele que mais vos agrada. Dizem que o KDE é o mais semelhante ao windows, pessoalmente discordo, o Gnome é mais parecido com o windows no meu entender, contudo isto são opções, a vossa é aquela que conta.

KDEgnome

 

Agora, e para concluir, é tempo de esclarecer de uma vez por todas, utilizando 3 argumentos sólidos que realmente convencem de que vale relamente a pena abandonar Windows e passar a utilizar Linux:

1. É livre, podem fazer o download em tráfego nacional, podem alterar a código fonte de vossa livre e espontânea vontade sendo que apenas o podem distribuir precisamente nos mesmos moldes em que o receberam (ou seja, gratuitamente).

2. É gratuito, tendo um conjunto vasto de software (todo ele também gratuito) que vem instalado de origem e que serve para todos os fins. No OpenSuse encontramos software de todo o género, passando por utilitários para desenho de sistemas informáticos, passando por utilitários relacionados com a geometria, com a matemática, com a física, com a química, com a gramática, etc. É simplesmente uma distribuição preparada para qualquer necessidade. Do mesmo modo a maioria das distribuições vem com um vasto leque de software de produtividade, design gráfico, audio e vídeo, todo ele gratuito, exemplo do OpenOffice e do Gimp, mas igualmente o MPlayer e o Banshee. Isto são apenas exemplos, muito mais encontrarão nativamente no nosso sistema e a preço zero.

3. É estável, seguro e actualizado, isto porque tem uma enorme comunidade que trabalha arduamente hora após hora, dia após dia resolvendo muitos dos problemas que são reportados pelo utilizadores linux, sendo que muitas distribuições são  “refrescadas” de 6 em 6 meses, tal como o Ubuntu, sendo que os updates aos variados componentes são, ora diários, ora semanais, sendo que aqui o Ubuntu também sobressai: pouco tempo depois da saída de cada versão mais recente de algum software, muito rapidamente há um update online disponível.

 

Todas as outras vantagens convido cada um de vocês a partilhar connosco comentando este post.

Abraços.

Anúncios

6 Responses to “Linux, esse tal mundo…”


  1. 1 ramitos
    2 de Dezembro de 2007 às 18:29

    Excelente post. Sou um user iniciado em linux, e ainda só testei o Ubunto 5.1, o 6.4 e o 7.10 (que estou a usar actualmente).

    Só uso Linux a uns 2 meses, mas estou adorar. No entanto custa-me imenso encontrar programas que me satisfaçam :S Tenho sempre a sensação que existe ainda muito software que desconheço que existe. Por exemplo, já testei dezenas de players de vídeo e só consigo gostar do VLC :S

    Onde é que consigo encontrar uma lista completa de software Linux?

    Outra coisa que me questiono é que distros usam Gnome? Sinceramente acho KDE extremamente feio :/

    Cumps 🙂

  2. 2 de Dezembro de 2007 às 18:55

    ramitos, obrigado pelo seu comentário.

    O Ubuntu vem de origem com o ambiente gráfico Gnome, existem no entanto uma variante a que se chama “kubuntu” precisamente para indicar que é uma distribuição em tudo igual ao ubuntu, excepto por vir com ambiente gráfico KDE.

    Portanto:
    Ubuntu – Gnome
    Kubuntu – KDE

    Depois temos muitas outras distribuições, quase todas elas têm opções de escolha de ambiente gráfico.

    Vejamos, o OpenSuse. Inicialmente esta distribuição privilegiava o KDE, mas lentamente se virou para o gnome e neste momento, basta um olhar superficial, o OpenSuse a correr com ambiente gráfico gnome é uma das pérolas, em termos gráficos, do Linux. É, no entanto, uma distribuição um pouco mais pesada, mas traz um vasto leque software, provavelmente quererá dar uma vista de olhos na mais recente versão 10.3, encontrará certamente software que lhe agrade.
    Por outro lado, o FedoraCore também privilegia o Gnome, é também uma distribuição com um ambiente gráfico muito bem integrado, contudo os seus ícones parece que estagnaram no tempo e pode não gostar muito do seu aspecto.
    O Mint é outra pérola, muito bem integrado com Gnome e utiliza precisamente os mesmos repositórios do Ubuntu, o que significa que é Debian e Ubuntu ao mesmo tempo, todos os repositórios debian e ubuntu funcionarão, bem como os seus pacotes de instalação, sem qualquer incompatibilidade. Poderá ser uma boa opção para si que gosta de Ubuntu e já está habituado a essa distribuição, isto porque é totalmente igual, em todos os aspectos, excepto em 1: tem, na minha opinião, uma melhor integração gráfica

    Muitos exemplos poderia dar, mas o ideal mesmo é consultar o DistroWatch e verificar as reviews a cada uma das distribuições.

    Depois pode experimentar o Compiz Fusion, este sim vem trazer vida nossa ao seu Ambiente Gráfico.

    Quanto a novo software, isso pode-se encontrar facilmente no google, desde que procure por palavras chave como opensource, ubuntu, etc, seguidas de outras palavras chave como “media player”, “audio player”, etc.
    Contudo, no caso do ubuntu tem o “automatix”, uma aplicação absolutamente fabulosa que lhe dá acesso a muitos programas extra que pode testar, em especial no que diz respeito a vídeo e áudio, sendo que igualmente lhe dá acesso a codecs 😉

    abraços e disponha sempre

  3. 3 Luis Leal
    2 de Dezembro de 2007 às 21:15

    Eu estou a usar o ubuntu e é das distribuições linux que eu mais gosto e aconselho e preferencialmente o gnome como ambiente gráfico. É mais simples e mais original ao contrario do kde l eu na minha opinião é mais a copia do Windows. O kde em todas as distribuições que pude verificar vem carregado de ferramentas ou programas que por muitas das vezes o utilizador comum ou até mesmo o utilizador avançado nem sabe pra que servem e tornando-o muito confuso.
    So estou com um pequeno problema com o ubuntu, ao copiar um programa ou uma foto, ou uma musica para uma pen quando vou a ver esse pequeno programa ou ficheiro lá não está o que me força a fazer essa operação algumas vezes o que se torna muito desagradável! Será que há uma solução para este assunto?

  4. 4 João Ramos
    3 de Dezembro de 2007 às 00:51

    Grande Post! E não falo só no tamanho 😉

    Eu em particular uso o OpenSuse, mas sempre que algo sai, faço download e experimento numa VM.

    Uso o OpenSuse, porque experimentei e gostei… e acabei por ficar…. e no OpenSuse escolhi o KDE..mais uma vez porque senti-me melhor com ele… nao vou dizer que é melhor ou pior que o gnome… acho que isso sao mesmo escolhas pessoais.

    Fizeste muito bem em colocar este post.
    Realmente quem necesita de um PC para jogar, entao esquece o linux..tudo por causa dos drivers das placas…

    AInda para os que dizem que o microsoft office é que é e que nao encontram nada melhor que o Outlook… eu digo, OK! Usem o wine e xaram… tem o office a correr sobre linux.

    Esquecam a necessidade de antivirus, esquecam spywares….e hardware caro por imposição do sistema operativo.

    E bem vindo ao mundo do software livre.

  5. 3 de Dezembro de 2007 às 15:51

    Luís Leal, obrigado pelo seu comentário.

    Em relação à sua dúvida, deve verificar o comportamento da sua pen (no caso de esta vir equipada com “led” de actividade) quando copia algo para lá, se verificar com atenção irá verificar que na maior parte dos casos (em especial na cópia de ficheiro muito pequenos) o file não é directamente copiado, fica como que num espaço de cache intermédia e não vai, por isso mesmo, verificar qualquer actividade na pen.

    O cuidado que deve ter é desmontar a unidade amovível sempre que pretende remover a pen, para o efeito basta um simples clique com o botão direito do rato sobre o ícone da unidade da pen, seguido de um clique na opção “desmontar unidade”. Isso fará com que os ficheiros que possivelmente estão nesse cache intermédio sejam finalmente copiados para a pen e só depois se torna seguro remover a unidade.

    É a única solução que me ocorre para esse problema, mas se realmente isso só lhe acontece com uma pen, pode ser algum problema relacionado com a mesma, já se acontecer com todas será certamente esta asolução.

    Disponha sempre.

  6. 24 de Dezembro de 2007 às 19:27

    oi não tenho maquina propriaminha em particular.

    Uso uma maquina que foi comprada praminha Familia e eles por comodidade opitaram tira o Linux ( Fenix ) e instalar o Windows XP.

    Gostaria de Saber como posso Utilizar novamente o Linux pois no caso tenho que primeiro instalar o linux e depois outros sistemas Operaçionais ( Creio eu).

    Tentei a opção do Curumim , direto do Cd porem não Fucionou.Gostaria de uma dica similar Desta Forma pois Seria a Mais Facil e que não acarretaria transtornos com o compartilhar, pois se não me engano o amigo na Materia se mostrou averso ao Dual boot ( linux e Win ) .

    Agradecimentos pela Materia e vou procurar me inteirar mais Sobre o assunto.

    A sim, em um passado ja Instalei uma Versão do linuz Redrat(expero ter escrito certo) e por sinal apesar de ter sido pesado para o micro da epoca, me deu aquele delicioso gostinho de Quero mais.

    porem não consegui conectalo a net, foi uma pena pois fiquei fascinado com os comandos Help, e a forma como ele se enterage e nos força a nos aprofudar nesse belo Sistema Operacional ao qual tenho estima apesar de não tem dominio sobre o assunto.

    um Abraço


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Ubuntu 10.04

Ubuntu: For Desktops, Servers, Netbooks and in the cloud
Dezembro 2007
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Petição contra o Novo Acordo Ortográfico

manifestodefesalinguapoug5

Plágio!

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Os mais clicados

  • Nenhum

Visitas

  • 428,343 visitantes

%d bloggers like this: